HISTÓRIA DO DESIGN

 

 

LEITURAS

Bauhaus Archive Museum, Berlim

Bauhaus, por Tipógrafos.net

Peter Brerhens, Tipógrafos.com

Antecedentes da Bauhaus, por Magdalena Droste, Image and Art em espanhol

Bauhaus, Itaú Cultural

Arquitetura Racionalista no Brasil, por  Álvaro Drummond

História do Design

Moda e Design na História da Indumentária

History of Graphic Design

History of Graphic Design (2)

Uma coleção de cartazes

História da publicidade (em inglês)

Coleção de Design Gráfico de 1920 a 1930

VÍDEOS  e MÚSICA

Vídeo Ballet Triádico Oskar Schlemmer

Vídeo Teatro Bauhaus

LIVROS RECOMENDADOS

DENIS, Rafael Cardoso. Uma introdução à história do design. São Paulo:  Edgar Blucher, 2000.

 

INICIO

INTRODUÇÃO

 

1.  CONTEXTO HISTÓRICO

 

2. DESIGN NO SÉCULO XIX

 

3. ARQUITETURA E DESIGN

 

4. BAUHAUS

 

5. O FUNCIONALISMO

 

6. O NOVO DESIGN

 

7. DESIGN PÓS-MODERNO

 

 

4. Bauhaus

Walter Gropius, Bauhaus de Dessau

  4.3. A Bauhaus

  A Bauhaus é a síntese dos  movimentos Arts & Crafts, Art Nouveau, da liga Deutsche Werkbund, da Escola de Artes e Ofícios de Weimar e da Escola de Arte de Weimar na Alemanha e ainda do pensamento racionalista com que os artistas e intelectuais europeus reagem frente à irracionalidade da 1ª. Guerra Mundial.

 Fundada por Walter Gropius em 1919 a Bauhaus foi concebida como uma escola democrática com o objetivo de formar profissionais no campo da arquitetura e do design que respondessem á situação da Alemanha com soluções modernas e progressistas em base ao racionalismo metodológico e ás pesquisas estéticas dos movimentos modernos da arte. A Bauhaus teve uma orientação artística que criou um movimento cultural importante e se estendeu por toda a Europa. Walter Gropius era um grande "agitador" cultural, igual ao seu contemporâneo Le Corbusier, mas á diferença deste, Gropius acreditava na importância da educação no cenário moderno.

  Os primeiros anos a Bauhaus funcionou em Weimar enquanto uma sede própria, desenhada por Walter Gropius era construída em Dessau. Em 1925 a Bauhaus de Dessau abriu suas portas com uma proposta curricular ampliada. Gropius foi o diretor da escola até 1928, ano em que decidiu renunciar porque queria se dedicar aos projetos particulares. Assumiu o arquiteto Hans Meyer que dirigiu a escola até 1930 mudando muitos aspectos centrais com que havia sido concebida a escola, como o valor que se dava á arte no currículo. Á raiz das diferenças Meyer deixa a escola e assume o arquiteto Mies van der Rohe que a dirige até a sua clausura em 1933 em Berlim, onde tinha se mudado a escola um ano antes por causa dos fortes movimentos nazistas em Dessau. 

   A base de toda a estética bauhauseana se encontra no principio da funcionalidade racional dos objetos e espaços habitáveis. "A forma segue á função", isto é, a forma é resultado da funcionalidade do objeto ou do espaço, não do capricho pessoal ou da tradição histórica. Para a mentalidade racionalista da época o ornamento não tinha mais lugar na funcionalidade do objeto, como o havia proposto Adolf Loos em 1908 no livro "Ornamento e Crime" onde defende a "honestidade da forma". Despir as formas de ornamento foi traduzido na palavra de ordem de arquitetos e designers da Bauhaus como: "menos é mais". Desta maneira se da ênfase à forma (Gestalt) e á formação da forma (Gestaltung) derivando assim na abstração das formas geométricas simples e essenciais e nas cores primárias.

 A supremacia da arquitetura sobre o design é também um dos pilares do pensamento da escola da Bauhaus. Consideravam a cidade como sistema de comunicação intersubjetiva.Tudo está em função do espaço habitável, assim também os objetos, mas sobre tudo na idéia centrada na arquitetura como método de construção do menor ao maior dos objetos, para viver civilizadamente teria que haver uma racionalidade das grandes ás pequenas coisas.  Aliar os conceitos das vanguardas artísticas ao design de objetos não era uma novidade mas na Bauhaus levou isto ao ponto de elaborá-las como obras de arte que seriam reproduzidas porque acreditavam que os objetos são elementos de educação estética da sociedade. Para ter uma vida civilizada as pessoas deviam viver em ambientes altamente estéticos. Por isso deviam ser estudados e desenhados todos os objetos, tudo podia ser objeto de analise e projeto.

  O programa da Bauhaus sob a direção de Walter Gropius privilegiou a aliança dos conceitos das vanguardas artísticas com o design de objetos, e em todas suas fases à práxis produtiva. As aulas eram, á maneira das escolas de arte, ateliers onde a aprendizagem se sustentava no equilíbrio entre a teoria e a prática. O fato de ter entre seus professores artistas do tamanho de Wassily Kandisnky e Paul Klee evidenciam a aliança que se procurou com a arte. 

  Quando a escola passou á sua sede em Dessau o programa curricular foi ampliado dando maior ênfase à arquitetura e á tipografia, produzindo publicidade e propaganda, editando livros, produzindo objetos, móveis, cenários e têxteis.

  Para conhecer os professores e os cursos e os alunos das duas maiores fases da Bauhaus abre este PDF.

  Para conhecer outras tendências do design gráfico paralelas á Bauhaus abre este PDF.

Voltar

Fontes:

BURDEK, Bernhard E. Diseño: Historia, teoría y práctica del diseño industrial. Barcelona: Gustavo Gili, 1994..

ARGAN, Giulio Carlo. Historia da Arte Moderna, do Iluminismo aos Movimentos Contemporâneos Companhia das Letras, São Paulo, 1992.

 

Oskar Schlemmer, logo da Bauhaus

 

 

Walter Gropius, Bauhaus de Dessau vista aérea

 

Walter Gropius, casa dos professores, Bauhaus de Weimar

 

Mies van der Rohe - Pavilhão Alemão para a Exibição Internacional de Barcelona 1929

Mies van der Rohe, casa Farnsworth

 

Bauhaus de Dessau, Oficina de desenho

 

Oficina de metal

 

 

 

e.ea@estagiodeartista.pro.br